Pluralismo jurídico nas favelas brasileiras: observações acerca da legitimidade

Autores/as

  • Arthur Votto Cruz Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)
  • Carlos André Sousa Birnfeld Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Direito: Florianópolis

Palabras clave:

Favelas, Pluralismo jurídico, Legitimidade, Crime organizado, Associações de moradores, Legal pluralism, Legitimacy, Organized crime, Associations of residents

Resumen

As favelas brasileiras abrigam uma grande parte da população brasileira, sendo compostas em grande parte por moradores de baixa renda e em vulnerabilidade social, estando à margem não só dos centros das cidades como do interesse social do Estado. Desde o seu surgimento até os dias de hoje, as favelas são tidas como áreas onde o direito formal estatal não chega, sendo as vidas dos moradores regradas por normas informais, ilegais sob a ótica do Estado e advindas de grupos sociais ora democraticamente instituídos e ora de organizações criminosas que se impõem com o uso da força e da violência. Surge desse contexto de pluralismo jurídico o seguinte questionamento: em uma realidade de pluralismo jurídico como a das favelas brasileiras, existem normas jurídicas alternativas que sejam dotadas de eficácia, aceitação e legitimidade? A fim de responder a esse questionamento se buscou, através do método hipotético-dedutivo, do procedimento monográfico e da técnica de pesquisa bibliográfica das obras de Wolkmer, Santos, Barbato Jr, dentre outros, demonstrar que as normas jurídicas gestadas nas favelas cuja origem não sejam advindas das organizações criminosas, detém legitimidade para coexistir com as normas estatais, bem como suprir o vazio deixado pelo direito do Estado por sua omissão.

*

The Brazilian favelas shelter a large part of the Brazilian population, being largely composed of low-income and socially vulnerable residents, being not only away from the city centers but also from the social interest of the State. From its emergence to the present day, favelas are regarded as areas where formal state law does not arrive, and the lives of residents are run by informal norms, illegal from the point of view of the State and from social groups sometimes democratically instituted and others from criminal organizations that impose themselves with the use of force and violence. The following question that arises from this context of legal pluralism: in a reality of legal pluralism such as that of the Brazilian favelas, are there any alternative legal norms that are endowed with efficacy, acceptance and legitimacy? In order to answer this question, we sought, through the inductive method, the monographic procedure and the bibliographic research technique of the works of Wolkmer, Santos, Barbato Jr, among others, to demonstrate that legal norms developed in favelas whose origin whether in criminal organizations, has the legitimacy to coexist with state norms, as well as to fill the void left by the right of the State by its omission.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Arthur Votto Cruz, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Mestrando do Programa de Pós Graduação em Direito e Justiça Social da Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG; integrante do grupo de pesquisa em Gestão Local e Políticas Públicas do Programa de Pós Graduação em Direito da Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC; Advogado Trabalhista e Previdenciário. 

Carlos André Sousa Birnfeld, Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Direito: Florianópolis

Professor Titular da FURG, integrando do Programa de Pos-Graduação em Direito e Justiça Social, Mestre e Doutor em Direito pela UFSC.

Citas

BARBATO JR, R. (2013). Pluralismo jurídico e criminalidade brasileira. in: WOLKMER, A. C.; QUINTANILHA, F. V. N.; LIXA, I. M. Pluralismo Jurídico: os novos caminhos da contemporaneidade. São Paulo: Editora Saraiva.

BOBBIO, N. (2003). Teoria da norma jurídica. Bauru: EDIPRO.

CANO, I.; DUARTE, T. (2012). “No sapatinho”: a evolução das milícias no Rio de Janeiro (2008-2011). Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll.

CRUZ, H.D. (1941) Os morros cariocas no novo regime: notas de reportagem. Rio de Janeiro: S/E.

DE SOUZA, E. N. dos Santos. (2014). “Associação de Moradores, Espaço Político e Democracia.” Anais do VII Congresso Brasileiro de Geógrafos. Vitória, 2014.

FREYRE, G. (1961). Sobrados e Mucambos: decadência di Patriarcado Rural e Desenvolvimento do Urbano. Rio de Janeiro: José Olympio.

GIACOBBO, G. E. et HERMANY, R. (2017). A emergência do Pluralismo Jurídico na ordem jurídica brasileira – o direito de laje – Lei n° 13.465/17 – na perspectiva do Direito Social Condensado de Gurvitch. Em Revista Culturas Jurídicas, Núm. (9), Vol. (4). (pp. 198-221). ISSN (2359-5744). Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense.

GURVITCH, G. (2005). La Idea Del Derecho Social. Noción y Sistema Del Derecho Social. Granada: Comares S.L..

GONÇALVES, A. B. R. et al. (2011). Favela, espaço e sujeito: uma relação conflituosa en Ipotesi revista de estudos literários. Vol (5) Núm (2), (pp. 51-62). (ISSN 1982-0836). Universidade Federal de Juiz de Fora.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. CENSO (2010) Aglomerados subnormais - Informações Territoriais. 2015.

JUNQUEIRA, E. B. (1993). A sociologia do direito no Brasil: Introdução ao debate atual. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

MALINOWSKI, B. (2003). Crime e costume na sociedade selvagem. Brasília: Universidade de Brasília.

MARQUESE, R. de B. (2006). A dinâmica da escravidão no Brasil: resistência, tráfico negreiro e alforrias, séculos XVII a XIX. En Novos estud. Num. (74) (pp.107-123). ISSN (1980-5403) São Paulo: CEBRAP.

PONTES, B. M. S. (2009). Os territórios do narcotráfico: os morros do Rio de Janeiro. En Revista de Geografia. Núm. (02). Vol. (26). (pp. 73-86). ISSN (2238-6211) Recife: UFPE – DCG/NAPA.

RAWLS, J. (2005). Political Liberalism. New York: Columbia University Press.

ROCHA, L. de M. (2018). Associativismo de moradores de favelas cariocas e criminalização. En Estudos Históricos. Núm. (65). Vol. (31). (pp. 475-494). ISSN (2178-1494). Rio de Janeiro. FGV. https://doi.org/10.1590/s2178-14942018000300009.

SANTOS, B. de S. (1993). Notas sobre a história jurídico-social de Pasárgada. Introdução Crítica do Direito. 4ª ed. Brasília: Ed. Universidade de Brasília (UnB).

SANTOS, M. (2018). A urbanização brasileira. São Paulo: EDUSP.

SILVEIRA, A. B. (2015). De colônia africana a bairro Rio Branco: desterritorialização e exílio social na terra do latifúndio: Porto Alegre, 1920-1950. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 2015. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10923/7278>

SOARES, C. M. (1996). As ganhadeiras: mulher e resistência negra em Salvador no século XIX. Afro-Ásia. Salvador, Bahia.

SOBREIRA DOS SANTOS,M. S. (2016). Proposta de Metodologia para Regularização Fundiária de Áreas Públicas. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco. CTG. Programa de Pós-Graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação.

WEBER, T. (2011). Autonomia e consenso sobreposto em Rawls. ethic@. Núm. (03). Vol. (10). (pp. 131-153). ISSN (1677-2954). Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina. https://doi.org/10.5007/1677-2954.2011v10n3p131.

WOLKMER, A. C. (2001) Pluralismo jurídico: fundamentos de uma nova cultura no direito. 3. ed. São Paulo, Alfa-Omega.

ZALUAR, A.; CONCEIÇÃO, I. S. (2007). Favela sob o controle das milícias no Rio de Janeiro: que paz? Em São Paulo em Perspectiva. Núm. (02) Vol. (21). (pp. 89-101). ISSN (1806-9452 ). São Paulo, SEADE.

Descargas

Publicado

2021-06-30

Cómo citar

Votto Cruz, A. ., & Sousa Birnfeld, C. A. . (2021). Pluralismo jurídico nas favelas brasileiras: observações acerca da legitimidade. Crítica Y Resistencias. Revista De Conflictos Sociales Latinoamericanos, (12), 69-84. Recuperado a partir de https://www.criticayresistencias.com.ar/revista/article/view/182

Número

Sección

Artículos científicos